livros

música

agenda

aus deutschen verlagen

pubicações científicas

literatrip

angola

brasil

cabo verde

guiné-bissau

moçambique

portugal

são tomé
e príncipe

timor lorosae

bestellen

suchen

impressum

home

tfm-online


Machina

Silvio Barros


Silvio Barros
Silvio Barros (1966) é carioca de Vila Isabel. Escreveu Poema Crime (7 letras, 1999) e os inéditos Vesúvio , Perfume do Aço e 'Entropia . Atualmente é um dos editores da Calimaco Edições e coordena a coleção "Jardins Secretos".

"Machina" é um conto inédito,  cuja publicação no volume Vesúvio é prevista para 2005

"...O tempo abastece seu próprio consumo
e a todo o momento se suicida..."
(Hardi Filho)


Ali estava o coliseum e eu o vislumbrava pela primeira vez. Estava em frente a sua ala incendiada. Mais uma marca para ele arrastar pelo tempo. As pedras naquele lado, calcinadas, tinham metal incrustado a um ponto que elas e o metal pareciam elementos híbridos. O homem ao meu lado suspira, naquele lugar com um cheiro nauseabundo. E embargado pela emoção, segurando as lágrimas, aponta para as pedras calcinadas.

- Aquilo foi um happening de um artista que trabalhava velocidades altas. Aceleradores de partículas deslocando fótons. Era bancado por um conglomerado industrial. Isso foi há noventa anos, ele morreu no happening . Overdose de energia nos reatores, que implodiram e volatilizaram toda a matéria que estava próxima. Não houve como reparar o Coliseu, sua estrutura ficou comprometida. E ali, naquela ala, vai ficar para sempre a marca, tingida de metal. Certas horas da manhã ele brilha. Um brilho escuro, estranho. O artista montou seu ciclotron, um anel de metal com tubos aceleradores de fótons azul metálico, que se encaixava ao ocre-tempo das pedras do coliseu. Um reator na junta do anel pegou fogo e houve uma grande fissura nos tubos. Principalmente os daquele lado. A imagem do artista e da máquina já estava sendo vinculada pelas mídias da época, meses antes. Sorte é que aconteceu no ensaio geral. Mesmo assim, foram dezenas de vítimas. Se fosse mesmo no happening, seria uma tragédia. Ele foi um dos primeiros artistas a trabalhar com máquinas pesadas, era muito famoso. Chamavam-no de "Number One". Seu filho não teve o mesmo talento, até que forçaram a barra. Mas ele fracassou. Só treze anos depois um italiano, Benvenuto, tomou o seu lugar. Trabalhava com máquinas gigantescas, era apoiado por um consórcio europeu. Criou uma serpente verde com vários tubos, aceleradores enroscados. Circundavam o Vesúvio como um colar de jade. À noite, o acelerador operando, brilhava. Meu pai era criança, se emocionava só de contar. A obra era chamada de a décima terceira maravilha do mundo. Aí veio a decadência dessa grande arte. Hoje não há mais esses artistas, o tempo os levou. Não há mais dinheiro, água, nada . As máquinas fabulosas ficaram no passado.

- E como começou essa decadência?

- Alguns anos depois que a serpente foi erguida no Vesúvio, um grupo de americanos planejou várias máquinas , que acopladas, criariam uma super máquina no deserto da Califórnia em forma de serpente. Batizaram-na de snake em homenagem a um antigo artista, chamado Richard Serra. Seria vista até do espaço. Ainda na fase inicial, pesquisa de material e estudos, a operadora do projeto faliu. Foi um escândalo. Os americanos foram , por décadas, motivo de chacota por isso. Em sessenta e três, teve o terremoto que destruiu Nápoles e o Vesúvio foi sacudido. A serpente, desligada, ficou entortada como um trompete sob as patas de um touro. Meu pai contava que minha avó ficou uma semana de cama chorando, e meu avô sentado, calado, por quase um mês, olhando pela janela o Vesúvio. Sem a serpente verde como um colar de jade. Minha avó foi enterrada com um colar de pedra verde, que imitava a serpente. Foi moda durante anos. Logo depois disso, as corporações romperam suas alianças com os artistas. Não havia mais verba para as máquinas pesadas. A última foi feita por um artista japonês, radicado em Paris, há sessenta anos. Eram tubos azul-celestes pendurados por semi-arcos na vertical, na margem esquerda do Sena, da Ponte L'Alma a Ponte Invalides. Era uma máquina esguia, elegante. Vi imagens dela. Não durou muito, seus reatores produziam muito barulho. E aí houve uma guerra política entre a prefeitura de Paris e a corporação energética-industrial que dava suporte. A corporação foi derrotada judicialmente em um tribunal popular. Emissões sonoras acima do nível tolerado em uma urbe, foi o veredicto.

- E o italiano?

- Benvenuto enlouqueceu, não conseguiu se adaptar a época das máquinas menores. Foi internado em Nápoles, sob diagnóstico de profunda depressão. Do seu quarto via o cume do Vesúvio,e passou seus últimos momentos o desenhando. Um dia amanheceu morto.

- E as máquinas?

- A cada ano foram diminuindo, até a algumas décadas atrás acabarem. Com o estado de sítio por causa da falta d'água, a arte voltou as formas primárias. Hoje, só o mau cheiro, o calor, e esse sol que dói a pele...

O homem tira do bolso do casaco comprido, algo que deviam chamar de maço de cigarros. Já vi imagens. O maço era azul claro, com um elmo com asas. Os cigarros eram curtos. Ele tirou um e não me ofereceu, e a fumaça se misturou às lamúrias do inválido, que ao nosso lado se aconchegava para cagar.


CRONOLOGIA

· 1991 - Em 17 de fevereiro, nasce em Long Island (USA), Andrew Philip Woodcock, o Number One.

· 2001 - Começo da saturação da Arte Conceitual e da afirmação da Arte Virtual e dos Blogs.

· 2010 - Arte Conceitual entra em total declínio, e a Arte Virtual se esgota. Blogs tornam-se obsoletos.

· 2013 - Em 2 de agosto, nasce em Nápoles (ITA), Benvenuto.

· 2015 - Primeiras máquinas são usadas em happenings.

· 2040 - Number One, com o anel-máquina, explode no Coliseu, matando 45 assessores e 130 curiosos que observavam a montagem do lado de fora.

· 2045 - O romance se esgota como gênero. Últimos remanescentes.

· 2053 - Benvenuto instala a serpente verde no Vesúvio.

· 2058 - Artistas americanos planejam a super máquina snake no deserto da Califórnia.

· 2061 - Aberto processo de falência da operadora do projeto americano.

· 2063 -Terremoto destrói a obra de Benvenuto no Vesúvio.

· 2066 - Corporações cortam as verbas para as grandes máquinas.

· 2068 - É instalada na margem esquerda do Sena, a última máquina. Tinha 1,8km de extensão com tubos com circunferência de 12m.

· 2073 - Prefeitura de Paris vence batalha na justiça e retira a máquina, sepultando a magna arte.

· 2075 - Benvenuto morre em Nápoles.

· 2085 - Máquinas pequenas dão lugar à poesia feita na carne.

· 2101 - Estado de sítio pela falta de água e de matérias primas.

© Sílvio Barros 2004


nova cultura (issn 1439-3077) www.novacultura.de
© 2002 Michael Kegler, sternstraße 2, 65719 hofheim / novacultura@gmx.de

TFM-Zentrum für Bücher und Schallplatten in portugiesischer Sprache www.tfm-online.de
disclaimer / Haftungsausschluss