Home

livros

música

agenda

aus deutschen verlagen

temas e estudos

abril / april
2005

angola

brasil

cabo verde

guiné-bissau

moçambique

portugal

são tomé
e príncipe

timor lorosae

bestellen

suchen

impressum

home

tfm-online


A hora e a vez do
Songbook Itamar Assumpção

Itamar AssmupçãoTom Jobim tem, Chico Buarque tem, Caetano, Gil, Cazuza, Djavan e Rita Lee também, por que não Itamar Assumpção? Quase dois anos após seu falecimento em 12 de junho, o artista mais produtivo e rebelde da chamada Vanguarda Paulista está prestes a ganhar o seu songbook, que deve ser lançado ainda no primeiro semestre deste ano. Graças ao patrocínio conquistado junto à Petrobrás em 2004, o jornalista e músico Luiz Chagas resolveu arregaçar as mangas junto com sua equipe (à frente Mônica Tarantino, também jornalista, mais Lucas Carrasco, dentre outros), para concretizar um projeto da maior importância para a música de Itamar: a publicação de dois volumes com as partituras das composições do Nego Dito, mais uma série de textos analíticos, biográficos e depoimentos de amigos. Cada um dos livros trará ainda um cd encartado, perfazendo duas coletâneas que abrangem oito álbuns da discografia de Itamar Assumpção.

"A gente quer oficializar com o songbook a obra de Itamar, que é quase toda de discos independentes", afirmou Luiz Chagas. O guitarrista integrante da famigerada banda Isca de Polícia está trabalhando a toque de caixa (a previsão de lançamento anterior era de dezembro do ano passado) para que os admiradores do artista nascido no Tietê, interior de São Paulo, tenham em mãos um compêndio à altura do talento do músico. Um reconhecimento que o Brasil ficou devendo a ele enquanto estava vivo pela sua genialidade artística.

Os planos de Luiz Chagas e da grande família Itamar Assumpção (leia-se parentes sanguíneos e dezenas e dezenas de admiradores de peso e formadores de opinião), vão ainda mais longe. "A idéia é fazer uma fundação ou algo equivalente para que possamos organizar tudo em dvd's, discos ao vivo e inéditos. Não é merchandising não, nem viagem nossa. É o trabalho de Itamar Assumpção que ainda está nas gavetas e que nós queremos levar para a sala", adianta Luiz. O próprio Itamar estava querendo fazer um box com os discos dele, sonho que se mostraria impossível de ser realizado pelo simples fato das masters estarem perdidas. Chegou a ser cogitado então que os álbuns fossem regravados, disco por disco, refazendo os arranjos originais. Mas com a ida prematura de Itamar para as outras esferas, a alternativa que restou foi a remasterização dos discos a partir das cópias digitais.

Os cd's que acompanharão os livros de partituras deverão ter de doze a catorze faixas cada um. No primeiro deles, algumas das melhores canções dos quatro primeiros álbuns, o Beleléu, Leléu, Eu, de 1980; o Às Próprias Custas S.A., de 83; Sampa Midnight, de 86; e o Intercontinental, Quem Diria! Era Só o que Faltava!!!, de 1988. No segundo volume vêm as músicas da trilogia Bicho de Sete Cabeças, de 1994, mais as do último álbum lançado em vida por Itamar, o Pretobrás - Por que que Eu Não Pensei Nisso Antes?, safra 98. (* Não resta dúvida que o trocadilho do título deste derradeiro disco ajudou bastante na decisão da estatal petrolífera em incluir o projeto no seu seleto rol de apoios culturais). Luiz Chagas não descarta a possibilidade de ser lançado posteriormente um volume dedicado ao disco Ataulfo Alves por Itamar Assumpção - Pra Sempre Agora, de 1995, que é um dos melhores trabalhos do músico.

Isca & Orquídeas

Itamar AssumpçãoPara detonar o lançamento do songbook, os organizadores pretendem reunir os dois grupos que acompanharam Itamar Assumpção nos vinte e três anos de carreira dele, ou seja, a Isca de Polícia e As Orquídeas do Brasil. Se o que acontecer no encontro das duas bandas for igual às noites de abril de 2004 no Sesc Pompéia, SP, quando foi lançado o disco póstumo de Itamar feito em parceria com Naná Vasconcelos, o projeto Songbook vai bombar. Na ocasião, quem subiu ao palco foram o mestre Naná, Zélia Duncan, Paulo Lepetit - produtor e fiel escudeiro de Itamar -, Bocato, Webster Santos e Anelis Assumpção, uma das duas filhas do homem. O resultado do encontro foi acachapante, principalmente para aqueles que duvidavam que Zélia tivesse tutano de sobra para encarar a empreitada de cantar todo um repertório baseado em Itamar, já que os discos assinados por ela seguem por outra linha estética e comportamental. Luiz Chagas também foi um que ficou chapado com aquelas apresentações: "Os seis querem excursionar pelo Brasil e gravar um dvd do show e um disco. É maravilhoso o trabalho deles". Aliás, quando é para falar de Zélia Duncan e de Cássia Eller, as duas principais divulgadoras da obra de Itamar no circuito, digamos, mais comercial, Luiz é só elogios. Ele conta detalhes de um episódio que se deu nos ensaios para o show beneficente, que visava arrecadar fundos para o tratamento de Itamar na luta contra o cancêr. As duas cantoras fizeram questão de ensaiar direto com a banda de Itamar, abrindo mão de qualquer estrelismo. "Vocês são os músicos dele, vocês é que tocam!", disse Cássia, quando foi sugerido a ela de tocar violão no show. Esse concerto em prol de Itamar teve algo de inusitado, pois o show foi organizado como beneficente e o próprio destinatário dos fundos cismou de estar presente e tocar. Luiz chegou a pensar que seriam processados por falsidade ideológica.

Quem está cuidando das partituras é a baixista Clara Bastos, integrante das Orquídeas. Quanto aos autores convidados para escrever para o songbook são Luiz Tatit, do Grupo Rumo, professor de teoria literária que vai tratar da forma de compor de Itamar; Alice Ruiz, parceira do Nego Dito em Milágrimas, que vai tecer uma análise poética de Itamar; além de Maria Bethânia Amoroso, professora de literatura que vai abordar a vida e obra do quixote da Paulicéia Desvairada. Amigos como Tom Zé, Luiz Melodia e Zélia Duncan, além dos integrantes das bandas Isca e das Orquídeas também sacarão do verbo, dentre outros seres da fauna.

Itamar Assumpção tinha fama de ser pessoa muito complicada. E era mesmo, na exata proporção de sua criatividade. Mas as pessoas que lidaram mais constantemente com ele guardam também momentos de profundo encantamento pelo artista que ele era. Luiz Chagas é um que pode falar de cadeira sobre o assunto: "A imagem que chegava para muitos do Itamar era a de que ele era malcriado. Eu convivi mais de vinte anos com ele e sei o quão intratável ele era, mas, como ser humano, ele era um doce. Era carinhoso com a família dele." E vai em frente: "uma vez a gente fez um show e um jornalista veio me entrevistar, e eu disse que tocar com Itamar era a mesma coisa que tocar com Jimi Hendrix ou Miles Davis. Para destruir de vez com o mito do Itamar "irascível", ,basta perguntar para os músicos dele se alguém tem alguma reclamação. Pergunte a eles se Itamar roubou cachê, se deu chapéu em alguém, se comeu a mulher do cara! Não tem disso, meu!"

Quem teve a sorte de assistir o criador de Beleléu sobre um palco, nunca irá se esquecer da força cênica que ele tinha com aquelas letras todas, aquela banda de duendes, e aquela sonoridade inclassificável. A relação dele com os músicos era da maior liberdade. "Ele deixava o cara jogar e punha fogo nisso. Os caras até reclamavam de que não ganhavam grana, mas nunca por infelicidade de terem tocado com ele", afirmou Luiz Chagas. Já o Tatit, tinha a sensação de que ele ensaiava os improvisos, de tão afinada que era a banda de Itamar Assumpção.

A Alemanha é um capítulo à parte na história de Itamar Assumpção. O país que lançou dois álbuns dele e que abrigou uma série de apresentações, também tem o que contar no que diz respeito ao acervo audio-visual. O jornalista alemão Rainer Skibb, principal responsável pela divulgação da arte de Itamar no país, possui material inédito produzido para a televisão local de alta qualidade, que pode ser revertido para a fundação Itamar.

O patrimônio é magnifíco.

Felipe Tadeu
Brasilkult@aol.com

auf deutsch


Felipe Tadeu
é jornalista especializado em música brasileira, produtor
do programa radiofônico Radar Brasil (Rádio Darmstadt). Radicado na Alemanha desde 91, o autor é também conhecido como
DJ Fila
 

email: brasilkult@aol.com


edições anteriores
nas edições anteriores


Todos os livros e CDs apresentados na novacultura estão disponíveis na Alemanha através do TFM-Centro do Livro e do Disco de Língua portuguesa: http://www.TFMonline.de


nova cultura (issn 1439-3077) www.novacultura.de
© 2003 Michael Kegler, sternstraße 2, 65719 hofheim / novacultura@gmx.de

TFM-Zentrum für Bücher und Schallplatten in portugiesischer Sprache www.tfm-online.de
disclaimer / Haftungsausschluss