livros

musica

eventos

aus deutschen verlagen

publicações científicas

september / setembro
2001

angola

brasil

cabo verde

guiné-bissau

moçambique

portugal

são tomé
e príncipe

timor lorosae

bestellen

suchen

impressum

home

tfm-online


Fogo Encantado lambe os céus da Europa

Frankfurt, Alemanha - A banda pernambucana Cordel do Fogo Encantado esteve de passagem recentemente pela Europa em sua primeira turnê internacional, mostrando o repertório de seu comovente álbum de estréia, que saiu no Brasil em produção independente pelo selo rEc bEat. O quinteto formado por Clayton Barros, Emerson Calado, Nego Henrique, Rafa Almeida e Lirinha surpreendeu os cerca de quatrocentos espectadores que pagaram ingressos para acorrer à concha acústica do Palmengarten (o Jardim Botânico de Frankfurt) na tarde de 14 de agosto, para assistir a mais um show ao ar livre do projeto «Summer In the City». O concerto era o último de uma série de apresentações do Cordel do Fogo Encantado, que passou pela Bélgica — mais especificamente pelo prestigiado festival Sfinks —, pela França (Paris), onde a banda fez seis shows, e pela Alemanha, com o grupo tocando nas cidades de Lörrach, Berlim e Frankfurt, totalizando 5 shows e duas workshops para o público germânico.


O concerto no Palmengarten não podia ter sido mais radiante. O sol se manteve flutuando muito acima dos arranha-céus do centro financeiro da Comunidade Européia, abençoando lá embaixo os cinco músicos que vinham de muito longe para levar um som que tratava de um outro planeta. Lirinha, Clayton e Emerson lá do sertão pernambucano, saídos da cidade de Arcoverde, com cerca de 70 mil habitantes. Rafa e Nego Henrique, do Morro da Conceição, em Recife, a cidade-mangue onde se dá o fenômeno biológico do nascimento de caranguejos com cérebros (leia mais a respeito nos cadernos de cultura). Ornamentado com três painéis de motivo rústico presos como móbiles no teto, o palco parecia um pouco pequeno para o Cordel arrepiar com sua percussão poderosíssima e todo o efeito cênico que a banda tem na bagagem. Bombo de macaíba, zabumba, surdo, caixa e pandeiro, o Cordel do Fogo Encantado provou aos alemães porque a banda fez por merecer Naná Vasconcelos como produtor de seu primeiro álbum e seu maior entusiasta.

Não fosse a confusão bíblica na Torre de Babel, que teria gerado o aparecimento dos milhares de idiomas espalhados pelo mundo, e o público em Frankfurt teria entendido a extraordinária força poética dos textos do Cordel do Fogo Encantado. Palavras da lavra da principal estrela do grupo, o cantor, poeta e ator Lirinha, de 24 anos, figura algo franzina, mas que cantando com a mesma determinação messiânica típica de tantos mitos nordestinos, se agiganta frente àqueles que ouvem a sua voz esgarçada, mas potente. «A bença Manoel Chudu/ O meu cordel estradeiro/ Vem lhe pedir permissão/ Pra se tornar verdadeiro». Manoel Chudu este, que como Zé da Luz, Ciço Gomes, João Paraibano e Ivanildo Vilanova, dentre outros, tem também alguns de seus versos populares incorporados à performance impressionante do Cordel do Fogo Encantado. Textos de tamanho lirismo e felicidade poética que a música só vem para levá-los ainda mais longe.

Segundo Antonio Gutierrez, o Gutie, produtor do Cordel, foi preciso mexer na estrutura do show para a excursão européia. «Tiramos poemas de cinco, seis minutos por causa da língua, mas a coisa funcionou bem. A banda chegou a tocar para uma platéia de 5 mil pessoas na Bélgica», comemora ele, que é também o principal responsável pelo Rec Beat, festival que acontece anualmente na capital pernambucana durante o carnaval. Lirinha era outro que não escondia a satisfação pela primeira temporada além-mar do Cordel que veio do sertão: «A experiência que colhemos com essa viagem vai nos servir para abrir novos espaços. Recebemos convites para o grupo voltar no ano que vem, mas isso não faria sentido se só estivermos incluídos em festivais étnicos», percebe o cantor e principal compositor do Cordel.

Outra meta da banda é encontrar um bom selo europeu que lance o cd no continente. Gutie fez contatos interessantes, mas nada que garanta que o disco chegue às lojas da Europa ainda este ano. Mas o Cordel do Fogo Encantado está mais do que pronto para ganhar a terra natal e o estrangeiro. Como atesta Prince Vasconcelos Dubois, o mestre Naná, a arte da banda «é uma música que o Brasil precisa ouvir com atenção. As pessoas vão sentir falta de instrumentos convencionais, mas a força do Cordel do Fogo Encantado está na poesia e formação percussiva, com ritmos fora dos clichês».

Felipe Tadeu

Felipe Tadeu

Felipe Tadeu, 39,
é jornalista especializado em música brasileira e produtor
do programa radiofônico Radar Brasil (Rádio Darmstadt). Radicado na Alemanha
desde 91, o autor é também conhecido como DJ Fila.
email: brasilkult@aol.com









nova cultura (issn 1439-3077) www.novacultura.de
© 2001 Michael Kegler, sternstraße 2, 65719 hofheim / novacultura@gmx.de

TFM-Zentrum für Bücher und Schallplatten in portugiesischer Sprache www.tfm-online.de
disclaimer / Haftungsausschluss